Organização

Segundo seu Estatuto Social o NAS– Núcleo de Ação Social é administrado por uma Diretoria e um Conselho Fiscal, subordinados a uma Assembleia Geral, órgão soberano da vontade social. A Assembleia Geral é constituída pelos associados Fundadores e contribuintes em pleno gozo de seus direitos estatutários.

Compete privativamente a Assembleia Geral:

 I – eleger os administradores, Diretoria e Conselho Fiscal,

II – decidir sobre a dissolução da instituição;

III – decidir sobre a conveniência de alienar, transigir, hipotecar ou permutar bens imóveis patrimoniais;

IV – destituir a Diretoria e o Conselho Fiscal;

V – aprovar o regimento interno;

VI – aprovar as contas;

VII – alterar o estatuto social.

 Compete à Diretoria:

 I – elaborar programa anual de atividades e executá-lo;

II – elaborar e apresentar à Assembleia Geral o relatório anual;

III – entrosar-se com instituições públicas e privadas para mútua colaboração em atividades de interesse comum;

IV – contratar e demitir funcionários;

V – elaborar o balanço e publicá-lo na Imprensa local;

VI – Resolver os casos omissos deste Estatuto;

VII – estabelecer anualmente o valor da contribuição mensal

devida pelos Associados;

VIII – propor à Assembleia Geral a reforma do Estatuto;

IX – elaborar e aprovar o regimento interno;

X – criar comissões quantas forem necessárias para o bom desempenho de seus fins.

A Diretoria reunir-se a ordinariamente no mínimo uma vez por mês no dia e hora designado pelo Presidente e, extraordinariamente, quando se fizer necessário, com a designação da matéria a tratar.

 O Conselho Fiscal é composto por 3 (três) membros efetivos e com um número mínimo de 03 (três) membros suplentes, sendo os eleitos à suplência em ordem cronológica a eventual substituição, em caso de vacância, de qualquer um dos membros efetivos do Conselho Fiscal.

O mandato do Conselho Fiscal será coincidente com o mandato da Diretoria e, em caso de vacância, o mandato será assumido pelo suplente eleito de acordo com a ordem cronológica, até o seu término.

Compete ao Conselho Fiscal:

 I – examinar os livros de escrituração da instituição;

II – examinar o balancete semestral apresentado pelo Tesoureiro, opinando a respeito;

III – apreciar os balanços e inventários que acompanham o relatório anual da Diretoria;

IV – opinar sobre a aquisição e alienação de bens, por parte da instituição;

V – convocar a Assembleia Geral extraordinária, apenas quando necessário, desde que verificada irregularidade na escrituração ou nos atos de gestão financeira.